sábado, 13 de agosto de 2011 | 17:52 | 0 Comments

A Janela da Alma

Leonardo da Vinci em uma tarde, depois de escutar de um professor que falava sobre o sofrimento da humanidade,  disse que "os olhos são a janela da alma e o espelho do mundo".
Pensando nesse comentário de Leonardo, percebi a grandesa dessa frase e entendi. Os olhos são a janela da alma, pois eles fazem parte da nossa percepção do mundo. Nossos olhos denuncia a tristeza que nossa alma sente.
Os olhos são os instrumentos mais sensíveis que temos para registrar a realidade que vivemos. Tudo que passa em nossa frente nossos olhos registram.
Poderíamos dizer que o olhar é o princípio primeiro da sedução, considerando que o erotismo é “caçada silenciosa entre dois olhares”. O “primeiro olhar”, de acordo com Anthony Giddens (1991), é uma atitude comunicativa, uma apreensão intuitiva do olhar do outro.
Foi ao olhar-se nas águas que Narciso se encantou com sua própria beleza; “Mirando-se, o homem prepara, aguça, lustra esse rosto, todos os instrumentos de sedução.”, até o de dizer o inefável: “Esse seu olhar quando encontra o meu, fala de uma coisa que eu não posso acreditar...”, diz uma famosa canção de Tom Jobim.  Por isso, exigimos olhos nos olhos quando queremos atingir a verdade.
O pensamento de Renato Janine Ribeiro deixou em seu poema "Teus Olhos" seu ponto de vista destacando dois principais poderes do olha no amor.
Vinicius de Moraes imortaliza dizendo que "..Quando a luz dos olhos meus e a luz dos olhos teus resolvem se encontrar. Ai que bom que isso é meu Deus, que frio que me dá o encontro desse olhar.
Os olhares, os olhos são imortalizados nos pemas e musicas que ficaram gravas nos anais da história, e vale dizer que virão outros muitos pensadores para imortalizar essa pequena ferramenta do corpo humano, OS OLHOS.