sexta-feira, 9 de agosto de 2013 | 15:53 | 0 Comments

Refinados no Fogo das Provações

     
Tempos atrás li sobre um evento que iria acontecer. Aquela divulgação vinha com a frase “temos que ter o cheiro de Deus”.
     Essa frase me deixou curioso até que fui assistir aquela palestra, no dia e horário divulgado.
    A palestra apresentada era simples e educativa. Lembrava que Deus se preocupa com a gente e quer nos ter como amigo e filhos. Ele explicava também, que, quando ficamos muito tempo com alguem acabamos absorvendo os costumes e até o cheio da outra pessoa.
   Aí eu entendi o que o palestrante dizia com aquela frase do inicio. Precisamos ter amizade com Deus a ponto de que a convivência impregne os exemplos de Deus em nossa vida e comecemos a praticá-los. Deus quer que sejamos tal como Ele é. Isto é, que sejamos seus imitadores.
   Deus é paciente, longânimo, perdoador, benigno, amoroso, justo, e tudo o mais que é condizente com o Seu caráter bom e perfeito. Então teremos que aprender a ser pacientes, longânimos, perdoadores, benignos, amorosos, justos e etc.
  Assim, para o propósito de aprendermos a paciência, o Senhor permitirá que passemos por várias tribulações, para que sejamos pacientes de modo prático e verdadeiro.
  E que possamos também louvar a glória da sua graça, que sempre nos assistirá e nos livrará de todas essas tribulações, conforme ele nos tem prometido fazer, se tão somente permanecermos firmes na fé, aguardando pacientemente pelo seu socorro.
  Assim, isto não poderá ser feito sem estarmos em comunhão com Cristo, porque é a força da Sua graça que nos capacitará ao exercício da paciência.
  De igual modo, para sermos amorosos, justos, serenos, perdoadores e misericordiosos, o Senhor permitirá que sejamos submetidos a várias injustiças, tanto contra nós, como contra as pessoas que nos sejam queridas.
 De maneira que, aprenderemos a receber a implantação dos atributos divinos em nossa nova natureza, recebida na conversão, do Espírito Santo, por meio do fogo da fornalha da provação. Então, teremos que aprender a clamar muitas vezes, apresentando nossas petições ao Senhor, em meio às nossas tristezas e aflições, para acharmos consolo e graça para suportarmos tudo com paciência e bom ânimo.