sexta-feira, 9 de agosto de 2013 | 15:14 | 0 Comments

SAIBA COMO ESCOLHER UM BOM VINHO PARA BEBER


Você está num bom restaurante e o garçom traz a carta de vinhos, grande, pesada, ameaçadora. 
Que fazer? Branco, tinto? Chileno, italiano? Chardonnay, Merlot? (Aliás, o que será “merlot” - uma cidade, uma região, uma uva, um tipo de vinho, uma marca?!) 
A boa notícia é que nos últimos anos o Brasil passou a importar e a produzir bons vinhos, contando hoje com um estoque invejável de produtos. O resultado é que sobrevive entre nós uma aura de esnobismo em relação ao vinho, indicando (falsamente) que, para apreciar a bebida, é preciso ter muito dinheiro e muito conhecimento. Da mesma forma como faz o cervejeiro, aquele que quer beber vinhos com freqüência não precisa começar pelos livros ou pelos cursos, mas pelo seu próprio prazer.É seu paladar, seu gosto, que dirá aquilo que o agrada, o tipo de vinho que prefere. 
Isso não quer dizer que, uma vez experimentado um vinho que agrada, o bebedor vá ficar a vida inteira amarrado nele. Depois, a oferta agora é tão variada que dificilmente alguém gosta somente de um tipo de vinho - a tendência é termos várias preferências. O apreciador curioso terá cada vez mais prazer, cada vez que vai ao supermercado ou à importadora, ao comprar uma garrafa daquele vinho que já sabe que aprecia, e ao mesmo tempo comprar uma outra que não conhece (seja pega ao acaso, seja por indicação de amigos ou de algum artigo na imprensa especializada). É muito gostoso experimentar um vinho novo, cotejá-lo com suas preferências. Se gostar, vai para a lista dos que você poderá pedir numa próxima compra ou no restaurante.